Seminários e Conferências Documentação - Universidad Complutense, VIII Seminário Hispano-Brasileiro de Pesquisa em Informação, Documentação e Sociedade (8shb) 2019

Tamanho da fonte: 
MÁS CONDUTAS CIENTÍFICAS: UMA ANÁLISE EM POLÍTICAS DE REPOSITÓRIOS DE DADOS
Fernando Brito Costa Dias, Eduardo Graziosi Silva, Ariadne Chloe Mary Furnival

Última alteração: 2019-12-30

Resumo


Com o avanço e crescimento das pesquisas e publicações científicas, tornou-se fundamental pensar-se em meios para armazenamento, preservação e gerência dos dados de pesquisa. Neste contexto, surgem os repositórios de dados de pesquisa, que possibilitam o armazenamento, a preservação e a difusão de dados de pesquisa. Por outro lado, deve-se pensar na legitimidade desses dados de pesquisa. A questão da fraude na propriedade intelectual remonta desde o surgimento do plágio na Modernidade às fraudes intelectuais na ciência a partir da década de 1980. Desde então, a ética na pesquisa científica tornou-se assunto na mídia a partir da divulgação de casos de fraudes científicas, o que fez com que as instituições de pesquisa e as universidades fossem cobradas sobre uma posição acerca dessas situações. Assim, a presente pesquisa abordou as más condutas científicas apresentadas nas políticas de repositórios de dados internacionais dos quais o Brasil participa. Para isso, utilizaram-se os termos “plágio” “fabricação” e “falsificação”, sendo os mais graves de acordo com o Código de Boas Práticas Científicas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Foi verificado a presença ou ausência de referência a essas três más condutas científicas em políticas de repositório de dados de pesquisa. Realizou-se uma busca para identificar quais são os repositórios de dados internacionais dos quais o Brasil participa. Após isso, foram identificados oito repositórios, que apresentaram um total de onze políticas. A pesquisa identificou que nenhuma das políticas abordam as três más condutas científicas apresentadas pela FAPESP, o que pode comprometer a confiabilidade dos dados dos repositórios estudados.

Palavras-chave


Repositório de dados; Ética profissional; Má conduta científica.

Referências


CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Diretrizes. [2011?]. Disponível em: http://cnpq.br/diretrizes. Acesso em: 22 jul. 2019.

 

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Código de boas práticas científicas. São Paulo: FAPESP, 2014. Disponível em: http://www.fapesp.br/boaspraticas/FAPESP-Codigo_de_Boas_Praticas_Cientificas_2014.pdf. Acesso em: 23 jul. 2019.

 

REGISTRY OF RESEARCH DATA REPOSITORIES. Search. [201-?]. Disponível em: https://www.re3data.org/search?query=&countries[]=BRA. Acesso em: 23 jul. 2019.

RUSSO, M. Ética e integridade na ciência: da responsabilidade do cientista à responsabilidade coletiva. Estudos Avançados, v. 28, n. 80, jan./abr. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v28n80/16.pdf. Acesso em: 19 jul. 2019.

 

ADAWI, S.; ALI, B. H.; AL-ZAKWANI, I. Research Misconduct: The Peril of Publish or Perish. Oman Medical Journal. 2016, v. 31, n. 1, p. 5-11. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4720946/. Acesso em: 26 jul. 2019.